Conheça os vinhos mais adequados para cada carne


 
Quando se faz qualquer combinação entre comida e vinho, a intenção é casar os dois o melhor possível sem que nada ressalte e tome a cena. Costumo sempre levar em conta que  em churrascos as notas tostadas e minerais que o carvão e a alta temperatura transmitem a carne.
 
Você pode colocar um vinho à altura para não perder para a brasa ou como eu gosto de fazer usar vinhos mais minerais para equilibrar e ressaltar o sabor do seu lazer à churrasqueira.
 
Vamos lá então para melhor parte:
 
Carnes de Frango
 
O franguinho grelhado nunca pode faltar, e é muito fácil de escolher o vinho, por ser uma carne neutra, só depende de você mesmo. Se for direto à brasa escolha um vinho branco com bom corpo como os chardonnays e gewusrztraminers, agora se você for fazer um crostine de molho de tomate ou outro molho antes de levar à brasa, agora escolha um vinho a altura do sabor final, tipo chiante ou vinhos de médio corpo frutados e jovens.
 
Carne Suína
 
E que tal a costelinha de porco? Tem sabor marcante textura firme e logo pede um vinho de certo caráter pronunciado mas não tão pesado, escolha um syrah novo mundo sem muita madeira, vinhos do Rhonê são uma bela escolha ou até mesmo pinot noir Tanto Borgonha jovem ou um Pinot novo mundo casa bem também. Fique atento: costelinha de porco só grelhada, sem o limão espremido... afinal com limão só cachaça mesmo.
 
Carnes vermelhas
 
ACÉM
 
Também conhecido como agulha, lombo de agulha, alcatrinha, lombo de acém, lombinho de acém e tirante. Pode, ainda, ser chamado de aguja (espanhol), basses côtes (francês) ou chuck (inglês).É o pedaço maior e mais macio do dianteiro do boi, sendo uma carne relativamente magra  que por sua vez pede vinho jovem frutado como cabernet sauvignon, merlot, tempranillo reserva, vinhos alegres de boa acidez e frutados.
 
COSTELA  DE TIRA
 
Também conhecida como costela do dianteiro, ripa de costela e assado. Carne um pouco mais seca do que a costela ponta de agulha ou costela minga. Pode ainda ser chamada de asado ou asado de tira (espanhol), plat-de-côtes (francês) ou short ribs (inglês). Apesar de ser um pouco mais magra que as pontas de agulha, leve em consideração sua alta gordura: use vinho jovens e de boa acidez e corpo robusto, como cabernet chileno de bom produtor ou um belo Tannat reserva para segurar o sabor da carne e ainda cortar um pouco sua gordura com seus bons taninos.

A costela é o corte com maior variedade de sabores, texturas e aromas.
 
COSTELA PONTA DE AGULHA OU COSTELA MINGA
 
Fica muito bem em assados. É considerada a ´rainha das churrasqueiras´, sendo uma carne muito saborosa para churrasco. Deve ser cozida por tempo longo, distante do braseiro, para amaciar suas fibras. Depois disso é levada para dourar onde recebe mais sabor via brasa. Esta carne sim pode se exagerar em vinhos do novo mundo com bom teor alcoólico mas equilibrado, corpo exuberante e taninos de boa qualidade.
vinhos ideais tintos do Dão, Tannats uruguaios, Cabernets Chilenos ou um Belo Zinfandel cheio de frutas em compota e alta acidez para tanta gordura, fica ótimo.
 
MAMINHA
 
Muito usada por sua textura macia e por ser magra e saudável mas mesmo assim saborosa, vinhos frutados e jovens resolvem bem andando sempre junto com a carne.
 
PICANHA
 
A verdadeira estrela, pode faltar até o carvão mas a picanha nunca será esquecida, de sabor único, textura media a firme, suculenta e bem gordurosa, é muito harmonizada em churrascarias, parrilhas e restaurantes com Malbec por ser intenso, rico em aromas e sabores e conter além de bom corpo uma acidez natural e essencial para este corte. Você pode usar também um Cabernet chileno ou um bom Rioja Crianza.

Fonte: 
http://sommelierdan.blogspot.com.br/